Eleição na CBF não vai acontecer em janeiro

Foto: Buda Mendes/Getty Images

Enquanto os clubes trabalham forte na pré-temporada, os bastidores seguem movimentado. Nesse sentido, um dos pontos que mais chamam a atenção é a eleição na CBF. Segundo o jornalista Igor Sirqueira do Uol, a eleição da Confederação Brasileira de Futebol, não deve ocorrer em janeiro. Havia a expectava sobre uma nova eleição neste mês, mas não vai acontecer. O Vila Nova observa a situação.

Leia mais:

Reforços do Vila Nova demonstram confiança para a temporada 2022

Vila Nova reintegra jogador que retornou de empréstimo ao elenco

Wagner prega discurso de Vila Nova com garra em campo

O motivo da eleição é por conta do afastamento do presidente Rogério Cabloco, acusado de assédio moral e sexual a uma funcionária da entidade. Ele recebeu uma punição de 21 meses, depois recebeu de 20 meses, após ser sancionado outro procedimento interno da entidade. O número de penas é maior que o seu mandato. Com a aprovação pela a assembleia geral, vai gerar vacância no cargo. Desta forma, é necessário um novo pleito para completo o período restante.

Igor relata que o presidente em exercício Ednaldo Rodrigues quer conclui essa questão o quanto antes.

“Quem tem que apertar esse gatilho é o presidente em exercício da entidade. Hoje, Ednaldo Rodrigues. Em dezembro, o baiano tinha planejado fazer a convocação agora em janeiro. Mas tem citado o aumento dos casos de covid-19, inclusive dentro da própria CBF, e a agenda apertada no fim do mês, com jogos da seleção brasileira pelas Eliminatórias, para justificar a postergação”, disse Igor Sirqueira ao uol.

Covid-19 preocupa

“Há uma recomendação interna, feita pelo presidente da comissão médica da CBF, Jorge Pagura, para que não haja reuniões presenciais envolvendo presidente, vices e diretores com pessoas externas à entidade, pelo menos até semana que vem.

Desfecho

A tendência é que a assembleia geral determine que Cabloco seja punido. Além disso, somente oito vice-presidentes tem direito a concorrer a presidência da CBF.

“O estatuto prevê que o vice-presidente mais velho, neste caso, o Coronel Nunes, assuma a CBF interinamente com o intuito de convocar em até 30 dias a eleição presidencial. Como se trata de preenchimento da vacância para o restante do mandato, só poderão se candidatar os oito vices da CBF. Hoje, além de Nunes, a lista tem Ednaldo Rodrigues, Gustavo Feijó, Fernando Sarney, Castellar Neto, Francisco Novelletto, Antonio Aquino e Marcus Vicente.”