Rumo ao Título! Marcio Fernandes relembra classificação para Semifinal da Série C em 17/10/15

Os embalos de sábado à noite tiveram um capítulo à parte na memória do torcedor do Vila Nova Futebol Clube. Precisamente no dia 17 de outubro de 2015, a torcida mais apaixonada do Centro-Oeste viveu aquela que seria uma data INESQUECÍVEL. Em uma noite de sábado, no estádio do Canindé, em São Paulo, o Tigrão devorou a Portuguesa (2 a 1) e garantiu sua volta ao Campeonato Brasileiro da Série B.

Quando o árbitro Péricles Bassols apitou o final desse jogo de vida ou morte, foi momento não apenas de a nação colorada comemorar a classificação para a semifinal e o retorno a Segunda Divisão, também foi hora de valorizar o profissionlismo e o sacríficio de peças importantes nessa jornada: o centroavante Frontini, autor dos dois gols vilanovenses, e, principalmente, o técnico Márcio Fernandes; informado da morte do pai dele na madrugada do confronto.

[related_post]

“Isso é treinamento! Aquela bola alí não entrou hoje, entrou quando deixei de ir na Vila Mix, no Serra Dourada, que todo mundo foi enquanto eu me cuidei para o jogo. Aquela bola de cabeça entrou quando eu deixei de ir no show do Gustavo Lima, que tava doido pra ir e fiquei em casa”, revelou o camisa 9, dedicando os gols ao treinador.

A noite de Frontini só não foi uma festa completa porque logo em seguida ele foi expulso, depois de uma confusão no meio campo, que também gerou cartão vermelho para um jogador do time paulista.

Outro que não terminou o jogo foi o técnico do Vila Nova, Márcio Fernandes, nosso personagem central nesse #tbt. Após reclamar que na hora do gol da Portuguesa tinha jogador do Vila caído em campo, Márcio acabou expulso ainda no primeiro tempo.

O comandante, que estava concentrado com a delegação, havia sido informado da morte de seu Ernesto Fernandes na madrugada, por volta das 2 horas . Logo em seguida, com a a liberação do Presidente Guto Veronez, ele deixou o hotel para prestar as últimas homenagens ao pai, em Santos, no litoral paulista, há menos de 100 km do Canindé.

Márcio e seu auxiliar técnico, o filho Marcinho, ficaram na cidade vizinha acompanhando o velório e o sepultamento, que ocorreu por volta das 16h30, menos de três horas antes do início do jogo, marcado para às 19 horas.

Neste dia não teve prelenção para os atletas, pois a comoção era geral .
Quando menos se esperava surge Márcio Fernandes para dirigir o jogo decisivo, minutos antes de a bola rolar.

Um ato de puro profissionalismo, e por que não, heroísmo. Cinco anos após essa noite recheada de lembranças ruins e boas, Márcio Fernandes gravou um vídeo especial para o site Sou Tigrão, relembrando detalhes daquele confronto.

Acompanhe!!!






Os comentários estão encerrados.